h1

Israel: Tel-Aviv e Jaffa

março 20, 2010

A primeira parada em Israel não poderia ter sido melhor escolhida. Tel-Aviv é uma cidade nova e moderna, e sob forte influência do ocidente. Apesar do tráfego pesado e da maneira alucinada que a maioria dos motoqueiros dirigem por aqui (muitas vezes pela calçada), a atmosfera da cidade é positiva e é impossível resistir a tentação de parar a cada 3 ou 4 quarteirões para saborear um café, croissant ou um falafel se a fome for grande.

Ao chegar na cidade fui recepcionado pela minha anfitriã, Sivan, uma israelita de origem do norte da África (Tunísia, Líbia, Marrocos) e caimos pela noite em meio a copos de Goldstar, a cerveja local, e alguns aperitivos típicos – e outros nem tanto. Os bares servem para todo tipo de cliente, mas em geral os preços são convidativos e o ambiente quase sempre aconchegante. Em especial no coração da cidade, em King George St e redondezas é difícil não encontrar algo que se encaixe no orçamento e nas preferências (musicais e culinárias). Um dos lugares mais legais fica na Almonit Alley, travessa da King George St e chama-se Salon Mazal. É uma espécie de café/livraria estritamente vegan e que poderia ser descrito como um centro de cultura alternativa – além de possuir internet de graça.

Em se tratando de compras, Tel-Aviv também surpreende. Na área conhecida como Yemenite Quarter tem um dos maiores mercados (Carmel Market) que vende desde temperos e vegetais a roupas e acessórios, tudo a preços muito bons.  Ao lado tem também a Sheinken Street com roupas de grife e restaurantes mais gabaritados. Ainda que nada disso interesse, vale a pena descer a Sheinken St e depois andar pela Rothschild Blvd para conferir um pouco da arquitetura, predominatemente Bauhaus, de Tel-Aviv e subir novamente via Nahalat Binyamin St para dar uma passada pelo Carmel Market.

Evidentemente que estando em Tel-Aviv não se pode deixar de ir até a praia, onde estão provavelmente os mais elegantes prédios da cidade. Uma boa maneira de se chegar lá a partir da King George St/Yemenite Quarter é pela Allenby St, a artéria da cidade que termina de frente para o mar. Daqui até a velha cidade de Jaffa são apenas 2kms.

Finalmente após um banho no mediterrâneo e algumas cervejas na praia, é hora de seguir rumo a Jaffa. O histórico porto de Jaffa, com seus 4.000 anos de história, costumava ser a primeira parada dos peregrinos que vinham a terra santa. A pequena vila tem boas galerias de arte e cafés, uma atmosfera aconchegante e tranquila além de comida boa e barata. Jaffa é dividida em duas parte, a cidade velha (Old Jaffa) que é o que provavelmente mais interessa ao turista e a cidade nova (New Jaffa) conhecida pelos seus mercados a céu aberto.  Não foi preciso mais do que algumas horas para dar uma boa volta por Jaffa e saborear alguns pratos locais, e a caminhada até lá foi tão prazerosa que resolvi voltar a Tel-Aviv andando também. Além disso só a visão panorâmica que se tem a partir do anfiteatro , tanto de Tel-Aviv quanto do mar, já valeria ter ido até Jaffa.


Destaques

– Cerveja Goldstar: marca local, mais barata que Heineken e afins. É um tanto mais amarga, o que eu considero positivo, mas geralmente é servida tão gelada que não se sente tanto o gosto.

– Pizza árabe em Jaffa: conhecida como pizza árabe, é o que eu já vi antes como esfiha. Entretanto os ingredientes variam e geralmente incluem ovos. Eu tive o prazer de comer uma com ovos, queijo e cogumelos, e foi fantástica. O lugar em que comi “Said Abu Elafia & Sons” é uma instituição local, e passa de geração a geração na mesma família (Abu Elafia) desde 1880. Conta ainda com mais de 20 tipos de pães.

– Noite em Tel-Aviv: a cidade não é tão atrativa durante o dia, mas quando cai a noite, tudo muda. Os bares e casas noturnas fervem. Porém tudo começa bem tarde, e é bobagem ir para a balada antes da meia-noite. Vale no entanto dar uma aquecida enquanto comendo alguma coisa em algum restaurante ou bar/restaurante.


Situações

– De estações de trem a shopping centers, e claro, repartições públicas, todos os lugares tem um segurança que revista bolsas e passa o detector de metais nas pessoas. Nas estações de trem existem máquinas de raio-x para verificar o conteúdo de bolsas – como as que existem em aeroportos.

– “Você tem alguma arma?” é uma pergunta comum, tanto em portas de lojas como bares. Entretanto, entende-se, avistar pessoas portando algum tipo de arma (das mais leves a fuzis) é um tanto comum e desconfortável, diga-se.

– A trilha sonora que me acompanhou em Tel-Aviv foi uma bela surpresa. Ao comprar protetor solar na farmácia estava ouvindo Interpol, tomando café ao som de Beck, almoçando com Radiohead e sem contar as baladas ao som de Smiths, New Order e Strokes. E eu não estava com os headphones em nenhum momento.

One comment

  1. Adorei conhece-los, bem como as belas fotos que me fizeram lembrar de quando estive também aí em Yafo.

    Danke scheen! mille grazie, beijos!



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: